Chacina em Campinas: família assassinada no réveillon

Os detalhes que você não vê, contados em primeira mão

Chacina em Campinas: família assassinada no réveillon

Sábado, 31 de dezembro de 2016. O que parecia ser fogos de artifício devido ao réveillon, na verdade era uma tragédia em família que estava ocorrendo na Rua Pompílio Morandi, no bairro Vila Prost de Souza, em Campinas, São Paulo. Faltando poucos minutos para a chegada do ano novo, doze pessoas da mesma família foram assassinadas a tiros na casa onde se reuniam em celebração. O assassino, o qual buscava se vingar da ex-esposa, se suicidou no local.

Sidnei Ramis de Araújo, 46 anos, trabalhava como técnico de laboratório no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), e morava em um condomínio próximo à Rodovia Anhanguera, desde que terminou seu relacionamento com Isamara Filier, 41 anos, cerca de quatro anos antes da chacina. Descrito por seus vizinhos como sendo uma pessoa legal, dócil e tranquila, Araújo não aceitava o fim do relacionamento e travava uma batalha judicial pela guarda do filho, João Victor Filier de Araújo, 8 anos.
Em virtude de uma acusação de abuso sexual contra o filho, além de outros cinco boletins de ocorrência registrados por Isamara por ameaça, violência doméstica e agressão, Sidnei Araújo nutria um ódio intenso pela ex-mulher e tinha de seguir regras de convívio restritas: possuía autorização para visitar a criança em domingos alternados entre 9h e 12h, mas não possuía permissão para buscá-lo na escola. De acordo com Tatiana Ferreira, que foi professora de João Vitor no ano de 2015, o menino não gostava do pai e planejava matá-lo quando crescesse.

O desejo de matar a ex-mulher perpetuava em sua mente há pelo menos 4 anos. Entre dezembro de 2013 e março de 2014, Araújo registrou em um diário sua vontade de matar Isamara, tal como o desejo de matar o avô e o tio de seu filho para a ex-esposa “saber o que é sentir saudade”. O diário, entretanto, também servia para realizar anotações acerca de seu filho. “Os tênis do João são tudo de 20,00 e os sapatos dela 200,00”, escreveu Araújo em um dos trechos. Antes de realizar seu plano, além do diário, ele enviou para amigos e vizinhos cartas compartilhando seus desabafos e a vingança que estava por vir, além de áudios. Em um dos áudios, Sidnei afirma “Filho, papai te ama muito. Julguem o que quiser julgar, cada um tem seu jeito de amar. Deus não crucificou o filho dele por amor aos outros filhos, como fala na Bíblia? Eu não vou deixar você sofrer na mão dessa vadia mais não, filho”.

Imagem: Reprodução


“Filho te amo muito e agora vou vingar o mal que ela nos fez! Principalmente a vc! Sei o qto ela te fez chorar em não deixar vc ficar comigo qdo eu ia te visitar. Saiba que sempre te amarei! Toda mulher tem medo de morrer nova, ela irá por minhas mãos” escreveu em uma das cartas.

Poucos minutos antes da meia-noite, Sidnei Araújo se dirigiu até a casa de Liliane Ferreira Donato, prima de Isamara, onde sabia que a ex-mulher estaria para celebrar o réveillon em companhia da família. Ao chegar no local, estacionou seu carro e pulou o muro da residência. Portando uma Pistola 9 mm, a qual ele afirmou em áudio ter comprado de uma viúva da PM que não sabia de sua real intenção, além de 10 artefatos supostamente explosivos, Sidnei começou a disparar contra a família de Filier. “Ele já chegou dando tiro em todo mundo, não dando chance pra defesa de ninguém”, relatou Admílson Moura, sobrevivente da tragédia que foi atingido na perna e conseguiu fugir para pedir socorro. O atirador não poupava xingamentos durante o ataque, os direcionando principalmente à Isamara.
Gabriel Ferreira, 15, e Thiago Donato, 17, conseguiram se esconder no banheiro, local onde Araújo alegadamente tentou arrombar, sem sucesso. Ambos foram capazes de ouvir os últimos disparos. O pequeno João Vitor, filho do atirador, foi assassinado após presenciar a morte da mãe. Ele teria indagado “Por que você matou a mamãe?” logo antes de ser baleado na cabeça, sem receber uma reposta. A criança foi a ultima vítima da chacina. Araújo suicidou-se em seguida.

João Victor Filier de Araujo, 8, Isamara Filier, 41, Larissa Ferreira de Almeida, 24, Ana Luiza Ferreira, 52, Luzia Maia Ferreira, 85, Abadia das Graças Ferreira, 56, Alessandra Ferreira de Freitas, 40, Liliane Ferreira Donato, 44, Carolina de Oliveira Batista, 26, Rafael Filier, 33, Paulo de Almeida, 61, Antonia Dalva Ferreira de Freitas, 62.




Fontes:
1- https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/01/05/em-diario-autor-de-chacina-de-campinas-expoe-vontade-de-matar-ex-em-2014.htm?foto=1
2- https://noticias.r7.com/sao-paulo/em-audio-autor-de-chacina-de-campinas-diz-que-queria-cometer-crime-no-natal-02012017
3- https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/01/01/menino-chacinado-em-campinas-disse-a-professora-que-mataria-o-pai-quando-crescesse.htm
4- https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/01/1846184-homem-armado-invade-casa-mata-ao-menos-12-e-se-suicida-em-campinas.shtml
5- https://www.metropoles.com/materias-especiais/campinas-o-maior-feminicidio-em-massa-da-historia-recente-do-brasil

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *