Lobisomem de Essex: Verdadeira História

Os detalhes que você não vê, contados em primeira mão

Lobisomem de Essex: Verdadeira História

  1. Em uma tarde de sábado de 1952, na cidade litorânea de Essex, na Inglaterra, o pequeno William Bill Ramsey de 9 anos foi tomado por um frio gélido e uma sensação estranha que fez ele sentir um mau cheiro e quase vomitar enquanto brincava no quintal de sua casa. Por sorte, na mesma hora sua mãe recebeu telefonemas que tiraram o menino do transe por alguns instantes. Entretanto, a sensação de ter voltado à realidade durou pouco, pois uma fúria e adrenalina intensas tomaram conta dele fazendo-o arrancar um poste da cerca de arame em que estava perto.

Por conta da grande força que não parecia ser da natureza de uma criança de 9 anos, nem seus pais conseguiram tirar o poste de suas mãos, e resolveram retornar para dentro de casa quando o filho começou a vociferar e a morder/roer a cerca.

O casal deixou o menino sozinho até que ele se acalmasse, e o “surto” passou tão rápido quanto veio. Depois disso, o menino teve uma grande mudança de comportamento, passando a maior parte de seu tempo quieto e sozinho. Porém, 15 anos se passaram até que ele manifestasse outro comportamento como o do dia em que arrancou o poste.

Durante esse tempo, Bill Ramsey se casou e se tornou pai de 3 filhos, tudo ia bem até que ele começou a ter pesadelos com sua família – em tais pesadelos ele sempre estava a apenas alguns passos da distância de sua esposa até que a mulher virava para ele e fugia com horror no olhar – que terminaram apenas em 1967 (quando ele tinha 24 anos). Como uma coincidência, mais 15 anos se passaram até que novamente acontecesse algo parecido com ele.

Agora no começo de 1983, William foi com alguns amigos para um pub local. Depois de beber um pouco, começou a sentir um frio parecido com aquele que sentiu com 9 anos e foi ao banheiro depois de dar uma desculpa aos amigos.

No banheiro, sentiu novamente um cheiro ruim de causar enjoo e olhou no espelho depois de lavar o rosto. Olhando para o seu próprio reflexo, viu que seu rosto estava diferente: Com traços grosseiros e lupinos.

Assustado, o que ele queria fazer era somente ir para a casa, e durante o caminho, virou-se para um de seus amigos rosnando e tentando morder sua perna. O motorista se manteve calmo e conseguiu estacionar o carro, e com muito esforço ele e os outros 3 amigos de Bill conseguiram tirá-lo do veículo. No momento seguinte, Bill desmaiou e quando acordou dizia não se lembrar de nada do acontecido.

Chegando em dezembro desse mesmo ano – perto do Natal – William começou a ter dores no peito e temia um ataque cardíaco, então foi levado para o hospital. Na sala de emergência, atacou uma enfermeira mordendo o braço dela e assustou a todos que estavam rosnando e babando como uma fera. Testemunhas disseram que ele parecia estar possuído e que possuía uma aparência animalesca. Policiais foram chamados e junto de alguns enfermeiros, conseguiram deter o homem com tranquilizantes.

No dia seguinte, William não demonstrava nenhuma característica do dia anterior e mesmo com um médico dizendo que seria melhor ele permanecer no hospital sob observação e realização de testes – pois as chances de que o episódio acontecesse novamente eram altas – ele decidiu ir embora alegando que se sentia bem.

Pouco tempo depois, em janeiro de 1984, Bill estava indo visitar a mãe quando começou a sentir um ataque novamente e acabou voltando ao mesmo hospital de dois meses antes. Mais um ataque a um profissional aconteceu quando este disse a Bill que ele deveria esperar o médico para ser atendido.

Novamente foi preciso de alguns enfermeiros e policiais para imobilizar a fera, e mesmo depois de imobilizado, Bill continuava espumando e rosnando. Algemado, foi conduzido até a delegacia e liberado depois da fiança ter sido paga.

Agora passados 3 anos, em uma noite de 1987 depois de se divertir no pub “White Horse Inn”, Ramsey estava caminhando para casa quando avistou uma prostituta. Perto dela, começou a tremer deixando a mulher assustada, que decidiu correr do local fazendo com que o homem a perseguisse.

Dessa vez o ataque não foi concluído, pois um grupo de pessoas viu o que estava acontecendo e conseguiu afugentar o indivíduo que logo foi preso, mas não sem antes atacar um dos policiais quase o matando. Foi preciso de 12 pessoas e 2 doses de tranquilizantes para que Bill parasse com o ataque.

Após o ocorrido, finalmente realizaram alguns exames em Bill (como raios-x e testes psiquiátricos) mas nenhum deles determinou o que causava aqueles surtos de raiva.

O caso começou a ficar conhecido na mídia chegando até Ed e Lorraine Warren, que se interessaram por ele e acreditavam que Bill estava sofrendo uma possessão. Depois de vários diálogos, os Warren conseguiram negociar com Bill e o levaram para uma igreja em Connecticut (Estados Unidos) para que um exorcismo com o Bispo Robert McKenna fosse realizado.

Fotografia de Bill e McKenna durante o exorcismo.

Na noite anterior ao exorcismo, Bill tentou estrangular sua esposa em outro acesso de raiva, e quando a sessão de exorcismo realmente começou, nada aconteceu durante os primeiros minutos, mas um tempo mais tarde, o homem começou a assumir uma aparência totalmente diferente da original, seu rosto se deformou, suas unhas viraram garras e suas orelhas se alongaram, por mais uma vez (e a última) Bill teve um ataque que precisou de 6 pessoas para segurá-lo.

Com o exorcismo sendo feito em latim, McKenna ordenou então que o demônio fosse embora e assim aconteceu, Ramsey estava livre da entidade que causou aquilo durante todos aqueles anos.

Em 1991, o casal de demonologistas lançou um livro intitulado de “Werewolf: The True Story of Demonic Possession” (“Lobisomem: A verdadeira história de uma possessão demoníaca”).

Da esquerda para a direita: Robert McKenna, Lorraine Warren, Bill e Ed Warren.

William Bill Ramsey, com sua fama de “lobisomem de Essex” fez sua última aparição em 1992 para um programa de TV dizendo que depois do exorcismo nunca mais teve crises de raiva ou possessão, e até hoje não são encontradas novas notícias dele.

De fato o exorcismo encerrou o caso, mas existe a teoria de que William sofresse de “licantropia clínica” que faz com que a vítima acredite estar se tornando um animal selvagem (na maioria das vezes um lobo).

Infelizmente, Ed Warren faleceu em 23 de agosto de 2006. Sua esposa continuou a cuidar de casos que envolviam fenômenos paranormais até 18 de abril de 2019, quando também veio a falecer.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *