Manson e o Álbum Branco

Os detalhes que você não vê, contados em primeira mão

Manson e o Álbum Branco

IMG_20200811_125919 Manson e o Álbum Branco

    Muitas pessoas consideram que a época de paz e amor que foram os anos 60 teve um fim quando ocorreram os assassinatos liderados pelo ex-presidiário Charles Manson e cometidos pelos seus seguidores. Seu plano era cometer uma série de assassinatos e fazer parecer com que negros tivessem feito aquilo. O líder alegou, como um dos motivos, que escutou mensagens subliminares em um álbum dos Beatles. Sete pessoas foram mortas no total, a atriz Sharon Tate e seus amigos na noite de 9 de agosto de 1969 e no dia seguinte, o casal Leno e Rosemary LaBianca, em 10 de agosto.

Álbum Branco

     O nono álbum da banda britânica formada por John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr foi lançado em novembro de 1968. Manson o descobriu um mês depois, tornando objeto de sua obsessão. O álbum, com trinta músicas no total, foi intitulado somente de The Beatles, mas recebeu o apelido de White Album, ou Álbum Branco, por causa de sua capa totalmente branca e minimalista. Quando souberam dos assassinatos, os artistas, é claro, ficaram muito chateados por terem sua obra atrelada ao Manson.

    Manson acreditava que os Beatles estavam tentando avisar a sociedade sobre uma guerra entre brancos e negros através de suas músicas. Compulsivamente, Charles analisava as letras do álbum e tentava tirar dele mensagens subliminares que se encaixassem em sua teoria da guerra racial, que estava cada vez mais cristalizada em sua mente. Ironicamente, os Beatles já haviam revelado diversas vezes antes que não gostavam de fãs que formulavam teorias ou que analisavam demais as letras de suas músicas.

4890439904-1 Manson e o Álbum Branco
Charles_Manson_Signed_White_Album Manson e o Álbum Branco
   A seguir, o significado verdadeiro das músicas do Álbum Branco, segundo os Beatles, e como Manson as interpretou posteriormente. Começando pelas cinco músicas preferidas de Manson nesse álbum:

Blackbird

Beatles: Música acústica sobre a dificuldade dos negros, especialmente mulheres, em se encaixarem em estados predominantemente brancos. Seu propósito é apoiar essas mulheres durante o Movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. 

Manson: Ele acreditava que através dessa música, os Beatles estavam programando os negros para começarem a guerra racial. Há um trecho em Blackbird, direcionada às mulheres negras, que diz “arise” (ergue-se) logo, para parecer que os supostos negros captaram essa mensagem, a palavra “rise” (erga-se) foi escrita na parede da casa dos LaBianca.

Piggies

Beatles: A música é uma metáfora ao capitalismo ganancioso, onde os ricos só querem lucrar sem se importar com as consequências que trarão para os outros. Na letra, os membros da elite da sociedade são chamados de porcos.

Manson: Para Charles, a letra significava que os negros queriam destruir essa elite da sociedade. Mais uma vez, na intenção de incriminá-los pelos assassinatos, foram escritas, com sangue, as palavras “Pig” (porco) na casa de Sharon Tate, e “Death to pigs” (Morte aos porcos) na casa dos LaBianca. Nesse contexto, os porcos seriam as vítimas, pois eram ricas e influentes na sociedade, sendo mortas pelos supostos negros que queriam acabar com a elite.

Helter Skelter

Beatles: Essa expressão é uma gíria britânica que significa bagunça e desordem. Com ela, o grupo quis fazer uma música totalmente barulhenta e intensa, que simbolizasse essa desordem. Foi descrita por eles mesmos como “ridícula e só um barulho”.

Manson: Para o líder da seita, foi a música mais importante e marcante do álbum. Segundo ele, ela significava o caos total, que seria trago quando a guerra racial entre os brancos e negros começasse, intitulando essa guerra de Helter Skelter. Com sangue, o título da música foi escrito de forma errada (Healter Skelter) na geladeira da casa dos LaBianca.

Revolution 1

Beatles: O conceito dessa música é que uma verdadeira revolução não é feita com ódio e destruição. Pelo contrário, a revolução começa quando você caminha para a paz e para longe da violência. Existem na letra, algumas partes ambíguas que poderiam ser, e foram, interpretadas de modo negativo.

Manson: Ao escutar a música, Charles acreditou que os Beatles, antes ambivalentes, agora apoiavam revoluções violentas e se sentiu inspirado para mostrar para o grupo que ele seria capaz de começar essa revolução.

Revolution 9

Beatles: Uma música abstrata de quase dez minutos, com sons experimentais e muitos efeitos sonoros. Foi feita na intenção de descrever como uma revolução soa. Durante a música, a frase “número 9” é repetida diversas vezes, o som foi retirado de um técnico de som que testava um microfone no estúdio.

Manson: Para ele, o 9 significava o capítulo 9 do Livro do Apocalipse na Bíblia, que descreve um poço infernal, sem fundo, que se abre na terra. Manson alegou que conseguia escutar barulhos de porcos e a palavra “rise” nessa música.

    Essas foram as cinco músicas favoritas de Manson no Álbum Branco. A seguir, os significados e interpretações de algumas outras músicas do álbum:

Happiness Is A Warm Gun

Beatles: O título foi retirado de uma revista de armas e foi utilizado como metáfora para os desejos sexuais de John Lennon com Yoko Ono, sua futura esposa. 

Manson: Os Beatles estavam dizendo para os negros pegarem armas e lutarem contra os brancos.

Rocky Raccoon

Beatles: Uma música cartunesca que foi inspirada por uma sessão musical que o grupo teve na Índia, onde criaram um personagem cowboy chamado Rocky Sassoon, mais tarde mudando para Rocky Raccoon.

Manson: Contava a história de uma ascensão dos afro-americanos. O título chamou a atenção de Charles pois na palavra Raccoon (guaxinim), a sílaba “coon” também é um xingamento racista.

I Will 

Beatles: É uma balada romântica que descreve uma pessoa que está apaixonada por alguém que ainda não conheceu. 

Manson: No verso final, existe a frase “Cante alto para que eu possa te escutar”, com isso, Charles entendeu que ele deveria fazer um álbum para espalhar a mensagem de que ele era a reencarnação de Jesus Cristo. 

Sexy Sadie 

Beatles: Sua letra foi baseada em um guru que os beatles conheceram na Índia chamado Maharishi Mahesh Yogi, que supostamente fez avanços sexuais contra uma de suas seguidoras. Essa música originalmente se chamaria Maharishi, mas eles decidiram trocar para Sexy Sadie.

Manson: Uma das seguidoras de Manson, Susan Atkins, foi apelidada de Sadie, por Charles, antes do lançamento do álbum, então isso fez ele sentir como se tivesse previsto a música dos Beatles.

Honey Pie

Beatles: Paul McCartney a fez em homenagem às músicas que seu pai escutava nos anos 20.

Manson: O trecho “Hollywood song” o acreditar novamente que ele deveria ser um cantor para espalhar sua mensagem.

     O álbum chegou a tocar durante o julgamento de Charles Manson, porque ele queria se justificar e mostrar para todos que estava sendo chamado para uma guerra racial pelos Beatles. Manson acreditava que toda música nos passa uma ideia, então ele não achava justo ser chamado de maluco por escutar as supostas mensagens dentro do Álbum Branco.

~ Lam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BR